Natura On Line

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Faltam cinco minutos para meia-noite

Há sessenta anos o Bulletin of the Atomic Scientists (Boletim dos Cientistas Atômicos), fundado por cientistas da Universidade de Chicago, criou o Doomsday Clock (relógio do dia do juízo). É um relógio simbólico cujo ponteiro maior se aproxima ou se afasta do número que indica a meia-noite, o momento da destruição da Terra por meio de uma guerra atômica, hoje chamada guerra nuclear. O ponteiro recua quando a tensão diminui e avança quando a tensão aumenta. Quando foi apresentado pela primeira vez, em 1947, no período da Guerra Fria, o relógio marcava sete minutos para a temível meia-noite. Quando a antiga União Soviética testou, em 1949, sua primeira bomba atômica, o ponteiro saltou de sete para três minutos para a meia-noite. Quando, quatro anos depois, os Estados Unidos testaram sua bomba de hidrogênio, o ponteiro tornou a avançar e marcou dois minutos para a hora fatídica. A marca mais distante (17 minutos para a meia-noite) aconteceu em 1991, quando a duas superpotências assinaram o Tratado Estratégico para Redução Armamentista. Depois de permanecer por cinco anos marcando sete minutos para a meia-noite, o ponteiro do Doomsday Clock avançou dois minutos no dia 17 de janeiro de 2007, marcando cinco minutos para a catástrofe. O Boletim dos Cientistas Atômicos explica que essa aproximação maior “reflete as preocupações crescentes com uma Segunda Era Nuclear, marcada por graves ameaças”. De fato, as ambições nucleares no Irã e na Coréia do Norte, os materiais atômicos sem segurança na Rússia e ex-repúblicas soviéticas, a escalada do terrorismo e os riscos de expansão da energia nuclear justificam a recente mudança do ponteiro. Além disso, os Estados Unidos e a Rússia têm mais de 25 mil armas nucleares, algumas delas prontas para lançamento. Além desses dois países, outros seis têm arsenais nucleares: China, França, Índia, Israel, Paquistão e Reino Unido. Parece que o relógio do dia do juízo desempenha o mesmo papel que a lenta construção da arca de Noé. Mas, assim como a arca não acabou com a violência nem com a corrupção globalizada nos dias de Noé, o relógio dos cientistas atômicos é mera curiosidade. A pregação escatológica do dilúvio durou 120 anos. A do Doomsday Clock já dura a metade desse tempo!

(Revista Ultimato)