Natura On Line

quinta-feira, 26 de julho de 2007


A Bíblia me ensina como orar.
Jesus ensinou. Vou orar pelo meu semelhante

VERSO BÍBLICO PARA MEMORIZAR“Eu oro a Ti ,à Deus, porque Tu me respondes.” Salmo 1 7:6.
OBJETIVOS Perceba o tipo de oração que você vêm fazendo, para substituí-las por orações mais efetivas. Estruture orações no modelo da oração do Pai Nosso. Identifique razões que levaram Jesus à oração. Diferencie “pedir” e “conversar” em uma oração.

Ilustrações
Tente fazer uma lista de coisas que pedimos a Deus e que não seriam boas para nós. (Um(a) determinado(a) namorado(a); ganhar na loteria, etc.) São facas e giletes de nossa ignorância. Se Deus nos atendesse, certamente iríamos nos ferir. Analise a sabedoria de Deus. Deus é um eterno presente. Para Ele não existe passado e futuro. Ele sabe tudo. Nós somos limitadíssimos como criaturas, e para agravar ainda mais nossas limitações existe o pecado. Por esta razão, devemos confiar em Deus quando oramos e não recebemos o que pedimos. Se Ele não nos deu exatamente o que pedimos, é porque tem algo melhor para nos dar.)
Um mendigo bate à porta da sua casa e pede um pedaço de pão. Ele recebe e vai embora sem dizer nada. Dali a pouco, ele volta e pede roupa. Recebe e se manda. Volta pelo menos mais 5 vezes no mesmo dia. Em cada uma pede alguma coisa diferente, recebe e vai embora. Perceba que fazemos isso com nossas orações. Pedimos e vamos embora. Pela manhã, ao meio-dia e à noite. Pergunte se não ficariam irritados com esse mendigo que, dia após dia, chega pelo menos três vezes pedindo alguma coisa? Por que Deus não Se irrita conosco? (Porque Ele é misericordioso e excessivamente bom.) É possível crescer no que dizemos em nossas orações? Qual o significado do verso de Lucas 11:1, onde os discípulos pediram que Jesus os ensinasse a orar como João havia ensinado aos seus discípulos? (Que a oração pode ser ensinada e, conseqüentemente, aprendida. Isso significa que podemos aprender a orar de uma forma mais inteligente e eficaz.)

Tres motivos pelos quais Jesus orava.

(1) Buscava força física para poder atender o povo em suas necessidades; (2) buscava poder mental para manter Sua mente sintonizada com a vontade de Deus e
(3) buscava força espiritual para poder perdoar os pecados, curar os doentes e oferecer esperança e coragem àqueles que estavam ao Seu redor.
Observar que os motivos pelos quais Jesus orava tinham como foco principal as pessoas e Seu ministério. Em contraste, nossas orações geralmente são egoístas. Pedimos muito para nós mesmos.

Responda a essas questões e depois analise a diferença dessas orações com as que corriqueiramente fazemos. Qual o efeito de um bom motivo sobre nossas orações? (Quando estamos envolvidos no trabalho do Mestre, nossas orações mudam de foco porque estamos interessados na salvação de outras pessoas ou no bem-estar delas.)

COMO SÃO NOSSAS ORAÇÕES QUANDO:
A. Temos um amigo ou parente hospitalizado em estado grave?

B. Estamos estudando a Bíblia com um colega de colégio?

C. Nosso pai está desempregado?

D. A meteorologia anuncia um furação para daqui a dois dias?

Analise a oração de Jesus em João 17. Esta é chamada a oração intercessória de Jesus pelos Seus discípulos. Classifique as idéias da oração que Jesus faz por Si mesmo e pelos discípulos. Observar que Ele orou mais pelos outros do que por Si mesmo. E Ele fez esta oração quando estava indo para o Getsêmani. Jesus orava muito pelos outros.

Para você meditar profundamente:
1। A necessidade de desenvolver uma amizade real com Deus através da oração como diálogo e conversa como a um amigo. 2. A substituição de uma oração infantil por uma oração mais madura. 3. O valor da oração para a vida cristã. 4. Que é importante saber esperar em Deus através da confiança nEle. 5. Que nem sempre Deus atende às nossas orações como desejamos; porém, sempre nos atende da forma como Ele sabe ser melhor para nós. Pr. Jorge Mario