Natura On Line

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

11/10/2007 - 06h35 -Missão Portas Abertas

O drama dos gêmeos coptas por causa da lei islâmica

Mario e Andrew que escreveram: "Sou cristão"
EGITO (18º) - A Constituição do Egito, que adota a sharia (lei islâmica), prevê que quando um dos pais se converte ao islã, os filhos passem automaticamente para a custódia do genitor muçulmano. É o caso de Mario e Andrew Medhat Ramsis, gêmeos coptas hoje considerados muçulmanos depois que o pai deles se converteu ao islã.

O caso de custódia deles teve início no dia 3 setembro, mas foi adiado. O advogado deles, Naguib Gabriel, enfrenta intensa oposição, enquanto trabalha para retardar o julgamento para depois do dia 17 de novembro, quando será julgada a questão da reconversão de 12 muçulmanos que querem voltar ao status de coptas (leia mais).

Os pais dos gêmeos, Medhat Ramses e Kamilia Lutfi Medhat, eram um casal cristão quando os meninos nasceram, mas o pai se divorciou da mãe, deixando para trás os filhos, e se converteu ao islã para se casar com uma muçulmana.

Em fevereiro, a mãe dos meninos descobriu que eles tinham sido colocados em classes de educação islâmicas na escola para refletir sobre a escolha do pai. No entanto, o homem muçulmano já não vivia com a família cristã desde a conversão dele ao islamismo e do novo matrimônio, em 2002.

Os gêmeos ganharam notoriedade quando se recusaram a prestar o exame de religião islâmica, em maio deste ano, exigido para passar ao próximo grau.

"Somos cristãos", declararam os meninos

Na ocasião eles declararam: "Sou cristão". Cada um deles escreveu a frase em um teste. Eles deixaram as demais respostas em branco (leia mais).

O Ministro de Educação do Egito, Yusri al-Gamal, anunciou no dia 25 de agosto que passaria os meninos automaticamente para o próximo grau, mas a mãe cristã dos gêmeos disse que ainda restam problemas subseqüentes.

"Soube que a lei egípcia concede a custódia das crianças para a mãe até que elas completem 15 anos, mas eu descobri que isto só se aplica a mães muçulmanas", disse Kamilia Lutfi em uma entrevista coletiva no dia 27 de agosto deste ano, de acordo com o semanal copta "Watani".

"Se os gêmeos se recusarem a colocar o islã em seus documentos, correm o risco de não receber serviços básicos como educação e cuidados médicos", disse Hossam Baghat, da ONG Iniciativa Egípcia pelos Direitos Individuais.